Lei que padroniza juros e correção foi vantajosa a devedores

Para especialista do BTLAW, nova regra trouxe maior segurança jurídica, mas favoreceu inadimplentes ao baratear a dívida

Sancionada nesta semana, a lei que uniformiza juros e correção monetária (Lei nº 14.905/24) tem aspectos positivos e negativos. Por um lado, padroniza práticas contábeis e financeiras, reduzindo discrepâncias nos tribunais. Por outro, utiliza cálculo que pode reduzir a penalidade ao devedor. É o que afirma o especialista em “Contencioso” do Barcellos Tucunduva Advogados (BTLAW), Armin Lohbauer.

“A nova lei estabelece correção monetária pelo IPCA e juros pela taxa Selic. O aspecto positivo é a uniformização já que, anteriormente, vários tribunais utilizavam diferentes índices, o que gerava dúvidas e incerteza jurídica” destaca.

“No entanto, a taxa Selic hoje tem valores mais baixos do que a taxa de 1% ao mês que era aplicada em muitos casos de atraso no pagamento. É possível afirmar, coloquialmente, que ficou mais barato para devedores e pior para os credores”.

Aprimoramentos – para Lohbauer, há espaço para aprimoramentos da nova legislação, sendo importante considerar como as novas regras serão implementadas nas relações judiciais e contratuais já em curso.

“A transição deve ser feita de maneira clara e ordenada, evitando confusões e litígios desnecessários. Isso implica definir claramente a partir de quando as novas normas serão aplicáveis e se haverá períodos de adaptação para contratos e processos judiciais em andamento”

O especialista do BTLAW ressalta ainda que a implementação de programas de educação financeira, tanto para empresas quanto para cidadãos, sobre as mudanças na Lei, pode ajudar a maximizar os benefícios.

“Isso inclui explicações detalhadas sobre como calcular a atualização monetária e juros, além de estabelecer mecanismos de acompanhamento e revisão contínua das normas pode garantir que a Lei permaneça atualizada”.

Correção Monetária – estabelecida em 1964 para permitir que o governo se financiasse por meio da venda de títulos públicos remunerados, a correção monetária acabou se difundindo por toda a economia brasileira.

Empresas adotaram para corrigir balanços e reduzir impostos ao reajustar suas despesas. O mercado financeiro utilizou para remunerar aplicações e atrair investidores. E até contratos de longo prazo, como arrendamentos e aluguéis, incluíram correção em suas cláusulas.

É difícil comparar o impacto dessa iniciativa com demais países, uma vez que Estados Unidos e países da Europa, por exemplo, também possuem mecanismos de proteção contra inflação, mas não da forma generalizada e automática sobre preços, salários e contratos, como ocorre no Brasil.

Armin Lohbauer - advogado especialista em Contencioso Cível do escritório Barcellos Tucunduva Advogados (BTLaw)

Informações à imprensa

Sobre a M2 Comunicação Jurídica

A M2 Comunicação Jurídica é uma agência especializada nos segmentos econômico e do Direito. Contamos com diversas fontes que atuam em âmbito nacional e internacional, com ampla vivência nos mais diversos assuntos que afetam a economia, sociedade e as relações empresariais

Links Úteis

Indicadores diários

Compra Venda
Dólar Americano/Real Brasileiro 5.5851 5.5861
Euro/Real Brasileiro 6.0259 6.0759
Atualizado em: 23/07/2024 23:07

Indicadores de inflação

04/2024 05/2024 06/2024
IGP-DI 0,72% 0,87% 0,50%
IGP-M 0,31% 0,89% 0,81%
INCC-DI 0,52% 0,86% 0,71%
INPC (IBGE) 0,37% 0,46% 0,25%
IPC (FIPE) 0,33% 0,09% 0,26%
IPC (FGV) 0,42% 0,53% 0,22%
IPCA (IBGE) 0,38% 0,46% 0,21%
IPCA-E (IBGE) 0,21% 0,44% 0,39%
IVAR (FGV) 1,40% 0,21% 0,61%